Roberto Jefferson recusa domiciliar e volta a atacar Alexandre

O ex-deputado Roberto Jefferson afirmou que não quer ir para a prisão domiciliar, onde teria de usar tornozeleira eletrônica. Em carta assinada nesta segunda-feira (25/10) e enviada a aliados, o presidente do PTB atacou mais uma vez o ministro Alexandre de Moraes, que ordenou sua prisão em agosto.

“Aceitando a tornozeleira, estarei transigindo à tirania. Sei que há um movimento para me mandar para casa com tornozeleira, mais as restrições pertinentes: não falar ao celular, não interagir com rede social, não receber pessoas não autorizadas. As restrições são mais graves que as aplicadas ao regime penitenciário”, escreveu Jefferson, que está internado no hospital do presídio Bangu 8, no Rio de Janeiro, desde o último sábado (23/10).

No documento, o ex-deputado disse também que é mais livre dentro da cadeia do que em casa com restrições judiciais. E chamou Alexandre de Moraes de “cachorro feroz do Supremo”.

“Parece piada, sou mais livre na cadeia do que em casa, vistas as restrições impostas. Fico por aqui. Não usarei mais tornozeleira, é humilhante, é degradante. Coleira é para o cachorro feroz do Supremo, Xandão. Recomendo focinheira também, pois ele pode morder. Aceitando a tornozeleira, estarei transigindo à tirania”.

Jefferson usou tornozeleira em setembro e outubro, quando precisou ser internado no Hospital Samaritano Barra. Só pôde retirar o monitoramento provisoriamente para fazer exames. Desde sua detenção, sua defesa tem pedido ao STF que Jefferson cumpra a prisão em casa. Nesta semana, o Supremo negou, por unanimidade, mais um pedido de habeas corpus para o ex-deputado.

Denunciado pela PGR, o presidente do PTB foi preso a pedido da PF em 13 de agosto, suspeito de integrar uma organização criminosa digital para atacar a democracia.

Da redação com o Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *