Médico que denunciou Prevent Senior poderá ficar em silêncio na CPI

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, concedeu ao médico Walter Correa de Souza Neto o direito de ficar em silêncio durante depoimento na CPI da Covid-19, marcado para quinta-feira (7/10). Neto é um dos profissionais de saúde que denunciou a rede de hospitais Prevent Senior por incentivar o uso do Kit Covid.

Os advogados do médico afirmaram que ele possui receio de ser constrangido durante a oitiva. Segundo eles, o médico estaria sofrendo ameaças.

“Não é exagero mencionar a existência de um claro clima hostil manifestado por parte de alguns senadores, que com ânimos exaltados, provocam discussões infundadas contra aqueles que não estejam alinhados aos seus pensamentos, normalmente relacionados aos interesses políticos relacionados à incompreensível defesa do chamado ‘tratamento precoce’ da COVID-19”, afirmou a defesa.

Na decisão, Gilmar Mendes concedeu o direito ao silêncio para que Souza Neto não responda perguntas que possam incriminá-lo ou colocar em risco seu sigilo profissional com pacientes. No entanto, o ministro não autorizou que ele preste depoimento em uma sessão fechada.

“Frise-se que o [Walter Correa de Souza Neto] foi médico da Prevent Senior, da qual já não faz mais parte, e procurou a polícia e os meios de comunicação, de forma espontânea, para relatar a sua versão sobre a referida empresa frente ao combate da pandemia da Covid-19 no Brasil”, afirmou.

Da redação com o Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *