PEDAGOGIA CRÍTICA – A Psicologia das Relações Humanas na Escola

Por Cláudio Moraes

É de extrema importância compreender a “ferramenta” Psicologia das Relações Humanas como mais que necessária no âmbito escolar, pois a mesma investiga e trabalha as relações interpessoais. Desenvolve no ambiente das escolas o diálogo e a compreensão do bom convívio entre alunos, professores, coordenadores psicopedagógicos, funcionários do apoio, da limpeza e de todas as funções ali presentes. O diálogo em si desenvolve a resolução de conflitos entre pessoas dentro do ambiente escolar e isso é confirmado na prática dentro das escolas.

Os impactos gerados por se trabalhar a Psicologia nas relações interpessoais são fortemente positivos e salutares para o desenvolvimento humano. O ambiente escolar necessita da resolução dos conflitos no comportamento entre pessoas e a Psicologia vem presente nessa questão. Ela é utilizada para a resolução de conflitos entre professor-aluno, entre aluno-aluno e entre as demais pessoas de convivência. Mas não podemos esquecer que os pais e mães também precisam estar inseridos neste processo educacional, pois boa parte do tempo que os alunos vivem é em casa e com os pais.

As relações humanas no ambiente escolar produzem o bom convívio ou não. Se existir diálogo, se existir olho no olho, se existir conversas com respeito e amor ao outro, e sinceridade certamente esse ambiente e essa convivência será agradável, pois se diz por aí: “que as pessoas é que fazem o lugar” e pode existir muito verdade nessa frase.

A escola é responsável pelo desenvolvimento social e cognitivo do aluno. Isso quer dizer que o desenvolvimento do aluno no ambiente social em que ele vive e que o desenvolvimento de sua inteligência vêm a partir da escola, pois é lá que o aluno se relaciona com o outro e aprende a respeitar o outro, amadurecendo emocionalmente e é lá também que ele adquire o conhecimento e troca com o professor e com todos ali presentes, trabalhando assim o seu cognitivo.

 

Cláudio Moraes é colunista no Jornal Estação Brasília na seção PEDAGOGIA CRÍTICA, professor universitário, pedagogo, artista, especialista em Práticas Inovadoras na Educação, tecnólogo em gestão ambiental urbana, pós-graduando em Docência do Ensino Superior com Metodologias Ativas de Aprendizagem e pós-graduando em Docência e Performance em Educação à Distância.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *