História da Matemática

Por Cláudio Moraes*

 

As civilizações Maias tinham um sistema de numeração que utilizava símbolos: o ponto, a barra e a concha, sendo que esta última representa o zero. O sistema era vigesimal, a razão era devido aos ancestrais contarem não apenas com os dez dedos, mas também com os pés. Com os pontos e a barra escrevem-se os algarismos até 19 e eles foram a primeira civilização a utilizar um símbolo representando o zero.

Já os Incas representavam por Quipos, que são grupos de nós, e a base é decimal. Que vêm de cordões, os quais eram feitos de lã de Lhama ou de Alpaca, ou ainda de algodão. A posição do nó indica valores numéricos segundo um sistema decimal. As cores dos cordões indicam o que eles contavam no momento.

Em relação à história da Matemática, é necessário trabalhar em sala de aula esta matéria de forma integrada às outras e também de forma mais agradável (GASPERI e PACHECO, 2015).

A Matemática precisa servir como forma de fazer com que o aluno dê conta da sua vida profissional e para o seu dia a dia, que facilite ele a tomar decisões e enfrentar desafios na vida contemporânea (GASPERI e PACHECO, 2015).

A matemática não é fruto de uma estrutura rígida, mas um processo intelectual humano contínuo, ligado a outras ciências, culturas e sociedades

O ensino da Matemática precisa trabalhar voltado aos interesses da vida prática do aluno e é necessário também inserir o lúdico, caso contrário, não se resgatará o interesse dos alunos pela matemática.

A história da Matemática pode ser trabalhada em sala de aula de forma lúdica por meio de enigmas e problemas curiosos (GASPERI e PACHECO, 2015).

A Matemática instrumentaliza outras áreas das Ciências, mas ela precisa ser trabalhada de forma prazerosa ou caso contrário, os alunos se tornarão “inimigos” da mesma, como normalmente acontece. Então por que não inserir uma Matemática desafiadora? Trabalhar curiosidades na área da Matemática com os alunos e o seu caráter investigativo e assim, virá o gosto naturalmente pela matéria por parte dos alunos.

Podemos desenvolver um trabalho com a história dos números em sala de aula, primeiramente atiçando a curiosidade nos alunos, lendo textos relacionados ao assunto em grupos e depois apresentá-los a toda a turma. Isso estimulará neles maior interesse na Matemática, pois é mais teórico e não somente cálculos difíceis e sempre fazendo com os alunos avaliações de como as aulas estão indo, se eles sugerem algo de novo e o que podemos melhorar. Além de estimular que eles façam pesquisam em sala de aula sobre o assunto. E dramatizações por meio do teatro em sala sobre a história dos números.

Enfim, o ensino da Matemática não é apenas trabalhar habilidades e resolver problemas, trabalhando o cognitivo do aluno, mas construir prazerosamente junto com o aluno uma discussão dos temas matemáticos.

Segundo a autora Lima (2015) a Matemática hoje em dia significa trabalhar “…a desmistificação da matemática e a desalienação de seu ensino. A matemática é um desenvolvimento humano e não um sistema de verdades rígidas. A matemática não é fruto de uma estrutura rígida, mas um processo intelectual humano contínuo, ligado a outras ciências, culturas e sociedades”.

 

Referências:

GASPERI, Wlasta N. H. De;  PACHECO, Edilson Roberto. A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO INSTRUMENTO PARA A INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/701-4.pdf Acesso em: 21 Mai. 2015.

LIMA, Adriana Cozim de Oliveira. AS CIVILIZAÇÕES EM SEUS SISTEMAS DE NUMERAÇÃO. Disponível em: http://www.joinville.ifsc.edu.br/~heverton.pedri/tcc/as%20civilizacoes%20em%20seus%20sistemas%20de%20numeracao.pdf Acesso em: 21 Mai. 2015.

 

* Cláudio Moraes é colunista no Jornal Estação Brasília na seção PEDAGOGIA CRÍTICA, professor universitário, pedagogo, artista, especialista em Práticas Inovadoras na Educação, tecnólogo em gestão ambiental urbana, pós-graduando em Docência do Ensino Superior com Metodologias Ativas de Aprendizagem e pós-graduando em Arte, Cultura e Educação.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *