Brasil vende mais soja ao exterior e diminui dependência da China em 2020

Total de soja brasileira vendida para os chineses, no acumulado do ano, representa a menor participação do país desde 2012

 

Por Daniel Popov, do Canal Rural

Para comparação, em 2019, o Brasil vendeu no mesmo intervalo de tempo 60,7 milhões de toneladas para o mundo, dos quais a China respondeu por 75,4%, ou seja 45,8 milhões de toneladas.

O ano de 2020 promete entrar para a história da soja como um dos melhores de todos os tempos. Vários recordes positivos quebrados e uma rentabilidade nunca antes vista para os produtores. As exportações talvez sejam um dos poucos ítens que não devem atingir a marca histórica de 2018, mas isso nem chega a ser um problema, pois além de vender tudo que produziu o país ainda diminuiu um pouco a dependência da China em relação à soja.

Com os números de exportações de setembro fechados, o Brasil exportou um total de 4,4 milhões de toneladas de soja em grão no mês. Dos quais 3,5 milhões foram somente para a China. Os números atuais representam uma queda em relação a setembro de 2019 no qual o país embarcou um total de 4,6 milhões de toneladas e a China respondeu por 3,7 milhões de toneladas de soja. Os dados são do Ministério da Economia.

Até aí parece que nada mudou, não é mesmo? Só que ao comparar os dados do acumulado do ano uma leve diferença chama a atenção.

De janeiro a setembro de 2020, o Brasil embarcou para o exterior um total de 79,1 milhões de toneladas do complexo. Desse total 72,8% foram para a China (ou seja 57,8 milhões de toneladas). Pois esse percentual é o menor registrado no país desde 2012, quando os chineses respondiam por 70,8% de toda a soja vendida pelo Brasil.

 

Em 2018, ano do recorde brasileiro nas exportações de soja, o país havia embarcado entre janeiro e setembro um total de 69,1 milhões de toneladas do complexo soja, dos quais 79,5% foram somente para a China (55 milhões de toneladas).

Isso significa que apesar da expectativa de que iremos um pouco menos soja ao exterior em 2020, já que a projeção é fechar o ano com no máximo 82 milhões de toneladas de soja embarcadas (em 2018 foram 83 milhões de toneladas), o Brasil conseguiu diversificar os compradores.

Fonte: Ministério da Economia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *