Após chefiar missão oficial ao Líbano, Temer pega corda e arrisca conselhos a Bolsonaro

Por João Pedro Marques

PEGOU CORDA

Após ter liderado a Missão do Brasil ao Líbano, o ex-presidente Michel Temer parece ter tomado gosto pela política novamente.  Ele até arriscou comentar que Jair Bolsonaro agiu “muito bem” em evitar a redução de valores em programas assistenciais já existentes para viabilizar a criação do Renda Brasil. Deu até conselho: “Bolsonaro precisa encontrar outros meios e modos para elevar o valor concedido através do programa Bolsa Família”.

A COVID TÁ SOLTA

Aqui em Brasília a proliferação da Covid-19 continua de vento em popa. O mais novo contaminado ilustre é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM). O deputado estava na posse do ministro Luiz Fux, no STF, na última quinta-feira (10), que também anunciou estar com a doença. Depois do evento, três pessoas, além de Maia, já confirmaram positivo para o vírus. Terá sido Fux o “agente contaminador”? Tomara que não!

EFEITO CASCATA

A presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST) ministra Maria Cristina Peduzzi, foi hospitalizada na noite de ontem (15) com sintomas sugestivos de covid-19. Segundo o TST, a magistrada ficará em observação até o resultado do exame para detecção do novo coronavírus (covid-19). Embora venha desempenhando suas atividades de modo remoto desde março, a ministra esteve presente, na última quinta-feira (10), na posse do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux.

COISA ESTRANHA

Não é que o Partido da Mulher Brasileira (PMB) lançou um homem para disputar prefeitura de Belo Horizonte (MG). Edmar Washington Xavier Pereira, de 48 anos, conhecido como Cabo Xavier, é ex-bolsonarista, evangélico e quando questionado sobre ele ser o candidato, diz que o partido está acima de “ideologia de gênero”. O PNB até já foi punido por só promover candidatos homens na TV. Talvez tenham que mudar a nomenclatura da sigla.

MINISTRO EM MT

Nesta quarta-feira (16), o governador Mauro Mendes se reuniu em Cuiabá com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. O tema tratado foram as medidas de combate aos incêndios florestais no estado. Na segunda-feira (14) o governador assinou decreto de calamidade para acessar recursos e contratos de emergência. Essa iniciativa irá oportunizar dobrar também os equipamentos empregados nas ações e ampliar a proteção à fauna e flora do Estado.

BOLSONARO EM MT

De Mato Grosso veio a notícia de que é grande a expectativa de candidatos a prefeitos e a vereadores pela visita do presidente Jair Bolsonaro às cidades de Sorriso e Sinop, ambas no norte do estado. A visita será na sexta-feira (18), quando Bolsonaro irá conhecer indústrias de Etanol de Milho. Por enquanto, o único político com garantias de chegar próximo ao presidente é o anfitrião, governador Mauro Mendes (DEM). Bolsonaro já avisou que não fará vídeo ou fotos com nenhum oportunista.

DISCURSO NA ONU

Antes de viajar a Mato Grosso, o presidente Bolsonaro enviará vídeo a ser exibido na abertura da Assembleia Geral da ONU na sexta-feira. O presidente deverá afirmar que há exagero na imagem negativa criada no exterior sobre a política ambiental brasileira. Bolsonaro vai ainda citar dados oficiais que demonstram, segundo ele, que houve um recuo nos focos de calor no país. Segundo auxiliares palacianos, o discurso foi escrito na terça-feira (15). O presidente consultou os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Ricardo Salles (Meio Ambiente).

VISÃO CAOLHA

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, voltou a criticar a visão internacional distorcida sobre as queimadas e o desmatamento ilegal na Amazônia. Ele reforçou o compromisso do Executivo com a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, destacando que o governo não esconde ou nega a gravidade da situação. Entretanto, Mourão reconheceu que uma abordagem centralizada no combate aos crimes ambientais não é suficiente para a região.

ABRAÇOU A CAUSA

O Senado instala nesta quarta-feira a comissão temporária externa para acompanhar as ações de enfrentamento aos incêndios no Pantanal. Os três senadores de Mato Grosso do Sul vão integrar o colegiado. Também será eleito o presidente da comissão. Ao longo de 90 dias, previsão inicial de funcionamento, as senadoras Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (PSL) e o senador Nelsinho Trad (PSD) acompanharão as ações de combate aos incêndios no bioma. O colegiado é composto também pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT), autor do requerimento de criação do grupo.

MÃO À PALMATÓRIA

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), cumprimentou o presidente da República, Jair Bolsonaro, pela decisão de efetivar o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, no cargo. Pazuello comanda a pasta desde a renúncia do ex-ministro Nelson Teich em maio. Pazuello será efetivado como ministro da Saúde nesta quarta-feira às 17 horas no Palácio do Planalto.

FOGO INIMIGO

Postagens nas redes sociais atribuídas a adversários de Guedes no governo dizem que equipe econômica joga contra Bolsonaro. Militares, aliados de Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e bolsonaristas mais ideológicos querem que o presidente dê um ultimato ao seu ex-superministro. De fato, Paulo Guedes entrou em processo de fritura há alguns meses e algumas das suas iniciativas têm sido rejeitadas pelo presidente Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *