OCDE: Impacto da covid-19 nas principais economias do mundo é 4 vezes pior do que o da crise de 2008

Crescimento do G20, que representa 80% da produção econômica mundial, caiu um recorde de 6,9% entre abril e junho em relação ao 1º tri

 

Da Redação

 

O impacto da covid-19 nas principais economias do mundo foi quatro vezes mais severo do que a crise de 2008 e criou um golpe “sem precedentes” no crescimento no segundo trimestre em quase todos os países, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (14/09) pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O crescimento no G20, organização de 19 países e a União Europeia, que representa 80% da produção econômica mundial, caiu um recorde de 6,9% entre abril e junho em relação ao primeiro trimestre e 9,1% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

A queda de 6,9% superou a contração de 1,6% registrada no mesmo período de 2009, quando a crise financeira iniciada no ano anterior estava no auge, afirmou a organização.

A China, primeiro país afetado pela pandemia e onde os confinamentos terminaram mais cedo do que no resto do mundo, foi a única economia a se recuperar até agora, expandindo-se a uma taxa de 11,5% no segundo trimestre.

Queda no PIB do segundo em relação ao primeiro trimestre, segundo a OCDE: crise pior que a de 2008

As medidas de contenção da covid-19 pesaram fortemente sobre a atividade econômica no segundo trimestre de 2020, com quedas sem precedentes no PIB na maioria dos países do G20.

O Brasil encolheu 9,7%, o mesmo valor da Alemanha. Os EUA caíram 9,1% e a Índia despencou 25,2%. Em contraste, Coreia do Sul e Rússia foram menos impactados negativamente, com redução de 3,2%.

De acordo com a OCDE, a economia global ficará muito pior se uma segunda onda de infecções levar os governos a renovar quarentenas em larga escala. Mas, mesmo sem novas paralisações, o crescimento global pode encolher cerca de 6% este ano, acabando com uma sequência de cinco anos de crescimento.

(*) Com Sputnik

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *