O governo depende menos de Guedes. Isso favorece sua permanência

Por Paulo Silva Pinto

 

Pouco depois de Sergio Moro deixar de ser ministro da Justiça, em abril, a conversa era parecida com a de hoje. Paulo Guedes (Economia), o outro superministro, corria o risco de seguir pelo mesmo caminho. O assunto da vez era a divergência que ele tinha com Braga Netto (Casa Civil) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) em relação ao Pró-Brasil. Aliás, os embates ficaram claros, mais tarde, quando se tornou pública a reunião ministerial de 22 de abril por exigência de Moro.

Pouco mais de 4 meses depois, a possível saída de Guedes volta à baila. A bola da vez é a continuidade do auxílio emergencial, na forma do Renda Brasil. O presidente Jair Bolsonaro disse que recusou a ideia de usar o abono salarial para financiar o novo programa, provocando desgaste para Guedes. A Bolsa caiu e o dólar subiu.

O presidente parece testar o impacto de possíveis decisões. Por exemplo, o que se daria nos mercados no caso de uma ruptura de fato. Essa possibilidade torna-se cada vez mais normalizada. Mas, paradoxalmente, também menos provável. É como se Bolsonaro dissesse: nada me impede de trocar o titular da economia. Agora que isso já está claro eu não preciso mais partir para isso.

Quando se olha para Moro e Guedes, é no cenário prospectivo que está a maior divergência. Moro sempre foi 1 potencial adversário eleitoral de Bolsonaro. Pesquisa do PoderData mostra que ele seria o único possível candidato a empatar com o presidente no 2º turno se a eleição fosse agora.

Para Guedes esse futuro não existe. É natural, então, que Bolsonaro não tenha razões para se distanciar do ministro da Economia como teve para se afastar do que ocupava a pasta da Justiça.

Uma hipótese para a permanência de Moro no governo era exatamente a neutralização dessa ameaça eleitoral a Bolsonaro. Isso seria 1 incentivo para nomear o ex-juiz a uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal) neste ano ou no próximo. Mas, para o presidente e para o ministro, o custo da convivência se tornou alto demais.

Se Guedes não quer se tornar presidente nem ministro do STF, qual o atrativo do cargo? Economistas de destaque gostam de ter ao menos em parte de suas trajetórias a digital em algo transformador, perene, no país. Em geral dedicam-se a isso no meio da carreira e depois partem para o setor privado.

Guedes já concluiu uma vida de sucesso no mercado financeiro. É natural, que, com sua personalidade, com seu conhecimento, queira fazer tudo para realizar a outra etapa, a transformadora.

Faz tempo que ele pensa nisso. Em 1989, 31 anos atrás, fez o programa de Guilherme Afif, que era candidato a presidente da República e atualmente trabalha na equipe do ministro da Economia. Hoje Guedes tem 71 anos. A oportunidade que tem de deixar a marca no país é seguir no cargo que ocupa.

Há chances de Guedes conseguir o que quer? Sim. A recuperação econômica poderá vir nos próximos anos, os problemas fiscais podem ser equacionados e ele ajudaria a entregar a Bolsonaro o 2º mandato. Então promoverá reformas. Ou, se não ficar no cargo, poderá atribuir todo sucesso posterior ao seu trabalho para o país superar a crise da pandemia.

Mas para Bolsonaro qual o incentivo em manter a relação? A mesma perspectiva de sucesso de Guedes, só que na cadeira presidencial. O atual ministro é indispensável para que as coisas sejam assim? Não. Mas os nós a serem desatados no país na área econômica estão longe de serem triviais. É melhor não fazer marola. Guedes pode ter 1 papel relevante nesse processo. Ainda mais útil aos olhos do Planalto caso aceite ser menos resistente a algumas ações.

Bolsonaro pode ser criticado por muitas coisas. Menos pela falta de pragmatismo.

Paulo Silva Pinto é Formado em jornalismo pela USP (Universidade de São Paulo), com mestrado em história econômica pela LSE (London School of Economics). No Poder360 desde fevereiro de 2019. Foi repórter da Folha de S.Paulo por 7 anos. No Correio Braziliense, em 13 anos, atuou como repórter e editor de política e economia.

Publicado originalmente no Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *