Integrantes do Palácio do Planalto fizeram chegar a ministros do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça e representantes do Congresso Nacional que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, está de saída do governo, segundo a coluna Radar, da revista Veja.

De acordo com a publicação, o movimento é parte de uma trégua que está sendo construída por interlocutores do presidente Jair Bolsonaro com os demais poderes. Weintraub é alvo de inquérito no STF por ter atacado os ministros na fatídica reunião ministerial do dia 22 de abril e também é investigado na Corte por racismo.

Na versão do Planalto, o ministro da Educação, abatido pelos ataques que vem sofrendo dentro e fora do governo, teria decidido pedir demissão do ministério. Ainda de acordo com as fontes ouvidas pela revista, o movimento não foi refutado pelo presidente.

As fontes dizem que a saída de Weintraub deve se dar até o fim de semana. As fala contra o STF e outras declarações polêmicas também deterioram a imagem do ministro da Educação no Congresso e Bolsonaro teria sido avisado de que as pautas da área terão dificuldade de avançar, se o interlocutor for Weintraub, o que teria pesado na decisão.